Processo Seletivo Biochaves 2019

 

 

Seleção de novos membros para o BioChaves

Perplexidade: O até então pacato grupo de pesquisa BioChaves – atualmente composto por estudantes do DEL/UFS e alguns colaboradores externos ao DEL – foi abalado por um evento inesperado: o roubo do “café filosofal”!

Reza a lenda que, há muito tempo, os alunos que se reuniram para formar o BioChaves foram presenteados por seu fundador com uma caixa de pó de café. Pregado a essa caixa de café mitológica, ainda segundo a lenda, havia um post-it com uma instrução com teor filosófico fundamental para o grupo. Esse é o o “café filosofal”:

Mas o “café filosofal” foi roubado do laboratório onde atua o BioChaves, e como apenas os membros atuais do grupo têm acesso ao local, só se pode concluir que um desses membros foi o responsável pelo desfalque da relíquia. Seguem listados abaixo os suspeitos do crime:

  •           – Thiago
  •           – Israel
  •           – Jônatas
  •           – Gabriel
  •           – Ítalo
  •           – Micaelle
  •           – Vitor Magno
  •           – Jugurta
  •           – Jânio

Esperança: Felizmente, na sua pressa em fugir com o o “café filosofal”, o/a meliante deixou cair pó de café sobre a própria mão, deixando assim uma marca como pista…

Investigação (competição para ingresso de novos membros do grupo): Pedimos a cada um dos membros atuais do BioChaves para escanear sua própria mão, e extraímos coordenadas (x,y) de pontos dessas mãos, como indicado na figura abaixo.

Pede-se que, dados os arquivos de coordenadas desses pontos, no formato ‘txt’ e da foto da marca de mão no pó de café (disponibilizados no final desta página), cada competidor desenvolva uma estratégia para determinar quem fugiu com o o “café filosofal”, comparando de alguma forma (computacional) a imagem suspeita aos dados biométricos de referência.

Cada estratégia deve ser relatada num documento de até 3 páginas. Nesse documento, deve ser incluída uma breve apresentação do candidato. A ordenação dos candidatos será feita com base nos seguintes critérios:

  1.    a) Sucesso de identificação do dono ou da dona da mão cuja marca foi deixada no pó de café.
  2.    b) Qualidade do relatório apresentado, em termos de uso da linguagem e clareza da explicação.
  3.    c) Qualidade do método usado, considerando considerando sobretudo sua criatividade.

Serão selecionados até 5 candidatos.

Os interessados devem enviar o relatório (em formato PDF) em anexo para o e-mail biochaves.del.ufs@gmail.com.

Os dados fornecidos para a investigação seguem nos links abaixo:

Obs: o nome de arquivo é formado pelas três primeiras letras do nome do suspeito, seguido do número da amostra fornecida. Por exemplo, a segunda amostra de um suspeito chamado “fulano” seria: ‘ful02.txt’.

Novo Deadline: 28/11/19

O dia estava mais quente que o normal quando a notícia se espalhou:

  • – “Roubaram o Café Filosofal !”
  • – “O que iremos fazer sem ele?!”
  • – “Como vamos criar teoremas?!”
  • – “Onde estou?!”

O caos crescia e o desespero tomava os corpos dos alunos do Biochaves. Nas carteiras do laboratório de comunicações dedos tamborilavam, mãos eram umedecidas pelo suor de agonia, pernas não conseguiam se aquietar e olhos atentos buscavam respostas. Todos eram suspeitos e todos eram vítimas. Como seguir as pesquisas sem um combustível de criatividade? Como ter inspiração sem o poder filosofal? Como ficar acordado nas aulas vespertinas? Impossível seguir trabalho! Nada parecia certo. Todos estavam se perguntando como alguém tão desalmado poderia realizar um ato tão maligno.

Todos menos um.

O algoz dessa façanha acreditava-se safo. Certamente havia coberto muito bem seus rastros. Com exceção de uma foto perdida, tudo parecia bem para o meliante. Como seria possível um borro em um monte de café entregá-lo? Impossível! Mas ele não contava com uma surpresa.

Junto com a notícia do desaparecimento havia uma convocação. Ato tão cruel não poderia passar impune. Não! Todos que estivessem dispostos, deveriam contribuir para as investigações. Esforços homéricos foram exercidos para encontrar o culpado. Nobres investigadores resolveram participar dessa caçada e resolver o mistério do ladrão de café.

O meliante, que estava até então certo da sua segurança, mal viu os movimentos de busca. As pistas, que a princípio não estavam claras, foram afunilando os possíveis transgressores. Suspeitas de pistas forjadas foram levantadas, mas logo refutadas. Métodos tradicionais e não ortodoxos foram utilizados e as características pessoais da mão do ladrão foram analisadas.

Após 35 dias de esforços combinados, a força tarefa estava certa de que Thiago era o culpado. No entanto, um ato de desleixo (Deus ex machina) do vilão o entregou, havia um cabelo junto à mão da cena do crime. Um fio comprido e liso, claramente incompatível com Thiago. Sendo assim o culpado definido foi o próximo da lista que coubesse essa característica que obviamente era Micaelle.

Confrontada com os resultados da investigação, a vilã negou o ato veementemente. No entanto, após a apresentação das evidências ela admitiu o extravio. Amanhã o sol terá cantos para você, Micaelle.

Inicialmente, gostaríamos de enfatizar que apesar de nem todas as soluções terem identificado corretamente o responsável pelo roubo do café filosofal, foram avaliados o método proposto e a escrita do texto.

Foram selecionados 7 candidatos (2 vagas a mais foram ofertadas) para o grupo BioChaves, apresentados (em ordem alfabética) na lista a seguir:

  • – Gabriel Sales de Jesus
  • – Ian Fonseca Ramos
  • – João Vitor Junqueira Santana
  • – Luan de Góis Santos
  • – Maxwel Batista dos Santos
  • – Thiago Rocha de Melo
  • – Victor de Moura Almeida

 

Os candidatos selecionados participarão de um laboratório de nivelamento que se iniciará no dia 27 de Janeiro de 2020. Em breve, entraremos em contato com os selecionados para passar mais informações.